domingo, 24 de fevereiro de 2013

Vicio de ti



Fico extasiada só de te olhar
Torna-se difícil de respirar
Tiro-te a roupa em pensamento
Devagar, tão devagar, doce tormento

Ficas imóvel, de olhar vidrado
Deixas-te incendiar por mim
Num só toque quebro teu coração gelado
Ardemos os dois neste festim.

Longe se ouve o galopar do teu peito
E nossos gritos se perdem no eco do pecado
Cravo minhas garras nas tuas asas
E viajo num sonho encantado.

Transpiramos desejo
Entre labaredas de amor
Queimamos o medo
E selamos promessas
Com cada beijo.

E assim escrevemos
Nas linhas deste vicio
E todas as noites nos perdemos
Para novamente voltar ao inicio

Quero ser teu objecto de desejo
O fascínio dos teus olhos
E quando adormeceres
Quero encontrar-me nos teus sonhos

Quero ser mais que o ar que respiras
Mais que o chão que pisas
Quero ser a tua droga
O teu vício mais secreto
A adrenalina do teu peito

Quero ver tuas veias clamar por mim
Quero sentir-te perder as forças na minha ausência
Quero que grites meu nome bem alto
E que quando estiveres comigo esgotes toda a tua existência.

Fundimos nossos corpos neste vício
Entre sorrisos ardentes
Eu permaneço em ti e tu em mim
Amarrados de alma e coração
Findamos as garras do tempo
E cessamos os mares da emoção.

(Imagem do Google)


2 comentários:

  1. Estou honestamente de queixo no chão... Estás a tornar-te numa grande poetisa :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. oh, obrigada pelas palavras António, e pelo carinho :)

      Eliminar